“PESADELO: NARRATIVAS DOS ANOS DE CHUMBO”, o novo livro de Pedro Tierra [Livraria A Casa de Vidro]

LANÇAMENTO: “Pesadelo – Narrativas dos anos de chumbo” (2019, 174 pgs) – Autonomia Literária e Fundação Perseu Abramo. À venda na Livraria A Casa de Vidro

“As tiranias no Brasil”, escreve o poeta Pedro Tierra, “ora vestem fardas, ora envergam togas. Ainda não conseguimos contar e sepultar os mortos daquela que anoiteceu o país por 21 anos e seus herdeiros já arrombam nossa porta.”

Por que lançar, em 2019, um livro chamado “Pesadelo”, com evocações sinistras dos “anos de chumbo”? É porque “o Brasil é um país que anda em círculos. E somos frequentemente acossados por pesadelos, mais ou menos duráveis. Ninguém, em sã consciência, poderia prever a extensão do desastre para onde nos encaminhamos a partir de 2016 com a violação da Carta de 1988 e a derrubada da presidenta Dilma Rousseff.

(…) Sigo vivendo num país que não cultiva memória – portanto, sempre corre o risco de repetir suas tragédias. (…) As formas como o autoritarismo patriarcal do senhor dos escravos, do senhor de engenho e seus herdeiros se expressam na sociedade brasileira são cambiantes e extraordinariamente eficientes. O exercício cotidiano converteu-as em cultura, cristalizou-as em costumes e comportamentos, basta verificar sua permanência que já dura mais de cinco séculos… Os setores populares que se opõem a ela padecem de um mal crônico: golpeados, em geral, por uma repressão feroz, não conseguem preservar e garantir o acúmulo das lutas anteriores. Rompe-se assim o laço entre uma geração de lutadores e a geração seguinte. Resultado: estão, não raro, condenados a recomeçar do zero.” (p. 19)

“Em 1964 eles vestiam farda. Foi um ato explícito de força. Em 2016 eles vieram vestidos de negro. Envergaram togas. Em nome da plutocracia moveram o aparato judicial para criar o ambiente propício, violar a Constituição e impedir a presidenta eleita legitimamente. E ela foi derrubada numa farsa histórica, caricatural, por um Congresso desmoralizado aos olhos da sociedade, mas útil para impedir que o país chegasse às eleições previstas para 2018 com os setores populares ainda em situação de vantagem para alcançar o quinto mandato consecutivo.

Em seguida prenderam Lula, o candidato que liderava todas as pesquisas de opinião para a presidência da república. Dessa vez os militares não utilizaram tanques, preferiram tutelar o processo eleitoral para impedir a vitória das esquerdas. Menos desgastante. E ainda salvaram as aparências. O que tem a ver a literatura com tudo isso? Tudo.

Deve exercer seu papel crítico. Ser um sinal de contradição. Não renunciar ao pensamento. Posicionar-se contra a vulgaridade fascista que toma conta do país, contra as simplificações e contra a manipulação criminosas das massas de trabalhadores por todos os meios, métodos e instituições empresariais ou confessionais… E resistir.

(…) Pois toda tirania gera no seu exercício explícito ou dissimulado o impulso, a força que um dia a lançará por terra.” (p. 21)

“Quando o muro separa uma ponte une
Se a vingança encara o remorso pune
Você vem me agarra, alguém vem me solta
Você vai na marra, ela um dia volta
E se a força é tua ela um dia é nossa
Olha o muro, olha a ponte, olhe o dia de ontem chegando
Que medo você tem de nós, olha aí
Você corta um verso, eu escrevo outro
Você me prende vivo, eu escapo morto
De repente olha eu de novo
Perturbando a paz, exigindo troco
Vamos por aí eu e meu cachorro
Olha um verso, olha o outro
Olha o velho, olha o moço chegando
Que medo você tem de nós, olha aí
O muro caiu, olha a ponte
Da liberdade guardiã
O braço do Cristo, horizonte
Abraça o dia de amanhã

Olha aí…”

PAULO CÉSAR PINHEIRO

* * * *

 
Sobre o autor
Pedro Tierra é um ex-militante da ALN, preso e torturado durante a ditadura militar no Brasil. Impedido de usar a caneta de dentro da cadeia, entre um interrogatório e outro, rabiscou seus primeiros versos no interior de maços de cigarro, conseguindo preservar e enviar alguns deles para o lado de fora do presídio para que fossem publicados clandestinamente na Itália. Deixou a prisão em 1977 e passou a atuar na organização de sindicatos de trabalhadores rurais. Ajudou a fundar o PT, o MST e a CUT. Coordenou a área de cultura na campanha vitoriosa de Luís Inácio Lula da Silva em 2002 e trabalhou no Ministério do Meio Ambiente durante o primeiro mandato. Recebeu em 2013 o título de Doutor honoris causa da Universidade Católica de Brasília. Em 2014, recebeu um novo título de doutor honoris causa. Dessa vez da Universidade Federal do Tocantins.
* * * * *
Descrição
Um livro necessário. Num país que lida mal com seu passado, a literatura pode oferecer caminhos para compreender os pesadelos que hoje nos afligem e nos surpreendem e não deveriam porque, afinal, não há presente vivido por nenhuma sociedade que não plante suas raízes num passado próximo ou distante. Tudo o que se escreveu sobre os anos de chumbo é ainda insuficiente para lançar luz sobre a extensão – e a profundidade – da tragédia imposta à sociedade brasileira no período 1964-1988, quando o país voltou a contar com uma Constituição Liberal Democrática. Essa é uma obra de ficção. E o autor trata de explicitá-lo já na Advertência que abre o livro em que os personagens são arrancados da vida compartilhada por ele em diferentes presídios para compor, como metáfora, o painel da barbárie que o país escondeu de si mesmo e segue como exigência para alcançar um patamar mínimo do que se poderia definir como uma sociedade civilizada. ficção é chamada a decifrar e compreender as múltiplas faces dos dramas que o relatório dos inquéritos, dos interrogatórios não é capaz de capturar. Por isso o livro que você tem nas mãos é um livro necessário. Mais do que uma “literatura de testemunho”, um exercício de pensamento e sensibilidade que busca, ao elaborar seus paradoxos, encontrar sentidos para a construção da máquina repressiva do Estado – da máquina de moer carne – posta em funcionamento pela ditadura civil-militar (1964-1988) e para a resistência que se levantou contra ela. Para discernir as raízes da violência de classe numa sociedade herdeira de 300 anos de escravidão, assentada na compreensão de que o domínio de classe se consuma com o aniquilamento de quem contra ele se levanta. Se é verdadeira essa percepção, você têm nas mãos um livro indispensável. AUTONOMIA LITERÁRIA
* * * * *

2 POEMAS DE PEDRO TIERRA

A PEDAGOGIA DOS AÇOS

Candelária,
Carandiru,
Corumbiara,
Eldorado dos Carajás…

A pedagogia dos aços
golpeia no corpo
essa atroz geografia…

Há cem anos Canudos,
Contestado,
Caldeirão…

A pedagogia dos aços
golpeia no corpo
essa atroz geografia…

Há uma nação de homens
excluídos da nação
Há uma nação de homens
excluídos da vida
Há uma nação de homens
calados,
excluídos de toda palavra.

Há uma nação de homens
combatendo depois das cercas.
Há uma nação de homens
sem rosto,
soterrados na lama,
sem nome
soterrados no silêncio
Eles rondam o arame
das cercas
alumiados pela fogueira
dos acampamentos.
Eles rondam o muro das leis
e ataram no peito
urna bomba que pulsa:
sonho da terra livre.

Sonho vale uma vida?
Não sei. Mas aprendi
da escassa vida que gastei:
a morte não sonha.
A vida vale um sonho?
A vida vale tão pouco
do lado de fora da cerca…

A terra vale um sonho?
A terra vale infinitas
reservas de crueldade,
do lado de dentro da cerca.
Hoje, o silêncio pesa
como os olhos de uma criança
depois da fuzilaria.

Candelária,
Carandiru,
Corumbiara,
Eldorado dos Carajás não cabem
na frágil vasilha das palavras…
Se calarmos,
as pedras gritarão…

http://www.landless-voices.org/vieira/archive-05.php…

* * * *

OS IMPOSSÍVEIS

Poesia é assim:
os impossíveis.
É quando prevalece
a vontade da palavra.
E se rende a razão
ao cerco do delírio.

É quando o verso é um grito
que pasta no pântano,
mastiga luas maduras,
como abóboras cortadas
a golpes de facão
e liberta a semente da fala
– a infância da palavra –
a serviço da desordem.

A palavra, que escrita,
se cobre de cinzas.
(Como Judith antes de visitar
a tenda de Holofernes)
Falada, acende arco-íris.
Poesia é assim:
os impossíveis
ao alcance da voz…

– Pedro Tierra, no livro “O Porto Submerso”. Brasília: Edição do Autor, 2005.

Sobre www.acasadevidro.com

Ponto de cultura em Goiânia. Plugando consciências no amplificador. Encabeçado por Eduardo Carli de Moraes, professor de Filosofia no (IFG). Jornalista e Documentarista independente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s