O DIABO VESTE VERDE-E-AMARELO || A Casa de Vidro

O Inferno está vazio e todos os demônios estão aqui.” 
WILLIAM SHAKESPEARE, A Tempestade

Os “suicidadãos” e “patriotários” [1] que lambem as botas da familícia Bolsonaro são uma lástima tão nefasta para as populações que habitam este território chamado Brasil quanto a pandemia do coronavírus. São desastres que se somam.

Millôr Fernandes dizia que “o patriotismo é o último refúgio do canalha. No Brasil, é o primeiro” [2]. Hoje em dia, muitos Bolsominions consideram-se patriotas mas seguem cegamente a um Coiso que faz continência para a bandeira dos U.S.A., parece uma cheerleader de Donald Trump e fala “e daí?” para 5.000 brasileiros mortos pela doença que ele poderia ter agido no sentido de combater, minimizando seus impactos. Preferiu, como de praxe, ser o disseminador de fake news, desinformação, ódio cego, fanatismo anti-científico: Bolsonaro, parceiraço da foice da Morte que hoje nos ceifa, impiedosa.

Qualquer chefe de Estado digno de seu cargo trataria de cuidar, com todas as suas forças, de evitar vidas perdidas. Só que não: ao invés do cuidado com a saúde do povo, Jair decidiu ser aliado do vírus e do extermínio. De suas mãos e de sua boca pinga um profuso sangue – e muitos de seus seguidores-zumbi bebem este sangue como se fosse vinho. E tornam-se ainda mais raivosos e sanguinários. Urram em prol de um “novo-AI5”, querem o fechamento do Congresso Nacional e do STF, como se o Grande Líder deles já não tivesse poderes o suficiente e precisasse se tornar um autocrata, um tsar, um ditador, com plenos poderes para mandar, desmandar e abusar.

Quando aglomeram-se em grandes rebanhos para gozar do prazer duvidoso de estar nas proximidades de seu “Mito”, estes suicidadãos não estão apenas colocando suas saúdes e vidas em risco – estão atentando contra todos nós ao se tornarem possíveis vetores de transmissão da covid19. A estupidez deles é um flagelo coletivo que só agrava os impactos já gravíssimos daquele “resfriadinho”, desdenhado pelo presifake, que já matou 250.000 vidas humanas. Ao sabotar as medidas de isolamento social, ao desdenhar da profilaxia coletiva que intenta salvar nosso sistema de saúde do colapso, Bolsonaro e seus minions agem como Bestas do Apocalipse.

Só nos EUA, a “gripezinha” já ocasionou mais óbitos do que o número total de soldados estadunidenses que tombaram sem vida durante os 20 anos de invasão imperial do Vietnã (como mostrou a reportagem do The Intercept Brasil) [3]. Ciente disso, seu Jair continua atuando como um atentado ambulante à saúde coletiva, pisoteando as recomendações da OMS, sendo criminosamente irresponsável feito um serial killler, tuo isso diante de instituições acovardadas e de uma população impedida de insurreição pela falta de condições sanitárias para ações de massa.

O empoderamento dos idiotas tornou-se no Brasil algo mais do que um farto manancial para os humoristas fazerem graça com nossa tragicomédia sem fim: a imbecilização viral, de que o Bolsonarismo é o mais grave dos sintomas, é hoje uma maré mortífera que espalha os poderes de Tânatos em um país que atravessa uma hecatombe anunciada.

Diante de uma pilha com mais de 10.000 cadáveres evitáveis, ainda havia no início de Maio de 2020 – pasmem, historiadores do futuro! – quem ainda se aglomerasse diante do pseudo-Messias. Não foram ensinados a desconfiar, com senso crítico vigilante, de energúmenos cheios de ganância e ambição que usam de demagogia barata para tratar seres humanos como gado-de-manobra: o Capetão adora citar a Bíblia, e tem quem engula esta instrumentalização do “sagrado” para fins demagógicos sem nem suspeitar que o Diabo, se existisse, saberia citar as Escrituras.

Diante do estarrecimento que esta patologia social do Bolsonarismo traz àqueles brasileiros que conservaram a lucidez, o senso crítico e o amor à liberdade, resta-nos recusar o inadmissível – e seguir na revolta que pudermos diante desta avalanche de absurdos.

No futuro, os historiadores honestos desta época, olhando para trás a partir de um prisma mais distanciado, quando o homem Jair não passar de ossos enterrados em um túmulo que precisará de soldados o defendendo para que não seja pixado, depredado e profanado, estes historiadores talvez escrevam sobre nosso presente-tornado-passado como uma época passageira de transe lunático que felizmente passou e foi superada. Como diz Frei Betto, tenhamos este fiapo de otimismo e “deixemos o pessimismo para dias melhores”.

Bolsonaro, em alguns anos estará morto e decomposto – e será difícil encontrar algum Minion que o defenda quando os tribunais penais o classificarem como um criminoso do naipe de Pinochet ou Himmler.

Mas que nunca nos esqueçamos! Em meio à pandemia, o Brasil ainda era a terra do apartheid, o último refúgio do escravismo, a última nação a abolir oficialmente o tráfico de seres humanos, o país dos mais de 60.000 homicídios anuais, o líder global na violência homofóbica, o local onde mais são assassinados ativistas ambientais e dos direitos humanos, o distópico lócus de um aprisionamento em massa e de uma Guerra às Drogas conexos à persistência do racismo estrutural e do terrorismo de Estado. Etc. etc. etc. pois não quero saturar o leitor com nossa montanha de horrores. E diante de tudo isso haviam muitos dentre nós, brasileiros, que se sentiam representados e empoderados pelo Seu Jair, com todo aquele anacrônico e abominável racismo, machismo e elitismo vomitado constantemente por sua boca-de-esgoto, faminta por hecatombes, fanática por ditadura, adoradora sádica da tortura.

Ele pode ser rico e famoso, mas Bolsonaro é um ser humano profundamente fracassado, incapaz de aprendizado, estagnado numa cultura do ódio, fóssil vivo de uma mentalidade retrógrada e assassina. Apesar dos poderes que usurpou, representa o fracasso da humanidade, o triunfo de nossas piores perversidades, o egoísmo mais mesquinho e mais vil, a incapacidade de amar a diversidade e de respeitar o humano em todas as suas formas. Ele representa o ser humano decaído a um estado cada vez mais bestial, apesar das máscaras que veste de cidadão-de-bem e homem-de-família, pois monstruosamente prega a seus seguidores-ovelha o extermínio de indígenas, quilombolas, petistas, ribeirinhos, comunistas, afrobrasileiros, idosos… O negócio do Bolsonarismo é o extermínio lucrativo. Eles são o capitalismo exacerbado, em estado de necrose.

O problema não está somente no indivíduo Jair Bolsonaro, um ser humano nojento e desprezível, campeão do desrespeito, nota zero em ética, que em 30 anos de vida como político nunca fez nada que prestasse em prol do bem comum. O problema está nas ovelhas raivosas que seguem este pseudo-Messias, que o consideram um “cidadão-de-bem” mesmo quando ele ensina crianças de colo a fazerem arminhas. Diante disso, o silêncio seria cumplicidade com a barbárie. Precisamos falar como se isto fizesse diferença, como se nossas palavras pudessem acordar nossos concidadãos infectados pelo Bolsonavírus, como se fosse possível a disseminação da luz da lucidez a partir do fogo aceso de milhares de críticas que se fazem unânimes na recusa, ainda que polifônicas nas propostas de alternativas e horizontes.

#ForaBolsonaro

REFERÊNCIAS

[1] Neologismos criados pelo poeta e tradutor José Paulo Paes, presentes em poema do livro “Poesia Completa” (Cia das Letras). Saiba mais: https://wp.me/pNVMz-4P.

[2] Millôr Fernandes citado por Xico Sá no artigo da Folha De São Paulo, “O patriotismo como refúgio dos canalhas”.

https://xicosa.blogfolha.uol.com.br/…/o-pat…/comment-page-1/

[3] The Intercept – Em poucos meses, o coronavírus já matou mais americanos que os 20 anos da Guerra do Vietnã. https://theintercept.com/…/28/coronavirus-eua-mortes-vietna/

Acompanhe A Casa de Vidrowww.acasadevidro.com

LEIA TAMBÉM:

Sobre www.acasadevidro.com

Ponto de cultura em Goiânia. Plugando consciências no amplificador. Encabeçado por Eduardo Carli de Moraes, professor de Filosofia no (IFG). Jornalista e Documentarista independente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s